Santinha Gema

Padroeiro:

Dos farmacêuticos.

História:

Gema Galgani, filha do farmacêutico Henrique Galgani e Aurélia Landi, nasceu em Lucca, na Itália no dia 12 de Março de 1878.

Infelizmente, Gema teve um curto, mas intenso convívio com sua piedosa mãe, que tinha uma tuberculose de lenta e implacável evolução, mas que não lhe impediu de dar aos filhos uma formação verdadeiramente católica. Anos depois seu pai também faleceu após perder toda a fortuna, deixando a família em grande miséria.

Já com 20 anos, Gema não aceita uma proposta de casamento, por ser “toda de Jesus”. Durante este ano fica curada milagrosamente de problemas na espinha e iniciam as experiências místicas.

Fala com o seu Anjo da Guarda e lhe da também encargos delicados, como aquele de entregar em Roma a correspondência ao seu diretor espiritual. E as cartas, misteriosamente, chegavam a destinação sem passar através do Correio do Reino.

Em junho de 1899, Cristo lhe dá o dom das estigmas. No mesmo ano, durante a missão em São Martino, Gemma conhece os padres Passionistas que a introduzem na casa Giannini. Acolhida como uma filha nesta casa devota e rica, conduz uma vida retirada entre casa e Igreja. Mas as manifestações da sua santidade superam os muros da casa patrícia. Faz conversões, prediz acontecimentos futuros, cai em êxtase. Durante as orações, ela sua sangue. No seu corpo, além dos sinais dos pregos, aparecem as chagas da flagelação. Aqui conhece Padre Germano que dirigerà as suas confidências.

Logo se descobre que as suas luvas pretas e a sua veste escura e estreita escondem os sigilos da Paixão. Estas estigmas se abrem, dolorosas e sanguinantes, toda semana, na véspera das sextas-feira.

Diante dela os cientistas não conseguem esconder o embaraço. Até alguns diretores espirituais não sabem como justificar a extraordinária moça. Suspeitam de mistificação, falam de histerismo e pedem provas, e exigem obediência.

Somente ela, Gema Galgani, no meio das dores físicas e às provas morais, não diz nada, ou melhor, pede a Jesus para si, mais dores e para os outros pede a conversão e a salvação.

No ano 1901, com 23 anos, Gema escreve por ordem de Padre Germano, sua autobiografia, “O livro dos meus pecados”. No ano seguinte se oferece vítima ao Senhor para a salvação dos pecadores. Jesus a pede para fundar um mosteiro de clausura Passionista em Lucca. Gema responde com entusiasmo, e no mês de setembro do mesmo ano se adoeçe gravemente. A sua vida é marcada profundamente da dor.

Começa o período mais escuro da sua vida. Fisicamente fraca, os estigmas e as penitências que se auto-infligia acabaram por consumir sua vida. Gema Galgani morreu muito doente, aos 25 anos de idade, num Sábado Santo, dia 11 de abril de 1903.

Oração:

Oh! minha celeste padroeira Santa Gema, por vossa ardente caridade para com o próximo sofreste, na terra, longas e cruéis enfermidades. Lembrai-vos de que, se Deus vos exaltou a tão grande glória, por para que, do Céu, consolásseis os aflitos, convertêsseis os pecadores e curásseis os enfermos.

O pensamento de que milhares dos que a vós recorreram foram socorridos, me anima a pedir a graça que tanto desejo. Restituí, pois, pelo amor de Jesus, restituí perfeita saúde ao meu enfermo.

Oh! Santa Gema, ouvi esta minha prece! Vós não me haveis de recusar esta graça, se for da vontade de Deus. Eu não a mereço, mas confio inteiramente em vossa poderosa intercessão.

Amém

Mensagem:

Share Button